Mariza


Não sou grande conhecedor de Fado, mas para mim Mariza representa o Fado contemporâneo.
A voz é obviamente o que mais se destaca. As guitarras, manipuladas por autênticos senhores da música. Mas com um pouco de mais atenção acabamos por ouvir no seu fado instrumentos como violoncelo ou percussões nada habituais neste estilo de música. Aliado a isso, convém também referir a moderna imagem que a caracteriza (a começar pelo penteado, claro, e acabar, talvez nos trajes que usa).

Mariza é também, para mim, a pessoa que nos leva a gostar ou olhar para o Fado de uma outra forma (muito mais positiva). Parece-me a mim que hoje em dia se alguém disser que gosta de Fado não será tão "apedrejado" quanto se dissesse que gosta de Ópera. Isto pelo menos em Portugal, como é óbvio. Digamos, portanto, que o Fado está quase ao pé do Rock! (sim, porque quem ouve rock não tem de levar com bocas do género "o quê, ouves rock?")

Por último (mas não menos importante): a Mariza é Portuguesa! E nós que nos estamos sempre a queixar que não conseguimos... Ela conseguiu (quem diria, o Mundo inteiro a aplaudir uma rapariga de cabelo loiro curto, com roupas esquisitas, e a cantar... Fado?).

Seguem-se dois dos temas que mais gosto. Barco Negro e Gente da Minha Terra.

Barco Negro (concerto em Londres)


Gente da Minha Terra (concerto em Lisboa)



Deixo também aqui imagens do Making Of do albúm "Transparente", gravadas no Brasil.