Rita Redshoes: mais uma estrangeira? Nah!



Dream On Girl



Muito se tem ouvido este tema... Pela qualidade do som, a sua composição e estrutura, bem como a qualidade do videoclip, o mero ouvinte poderá pensar que é mais um som pop proveniente dos EUA ou UK. Engana-se!
Rita Redshoes é uma cantora bem portuguesa.

Rita Redshoes @ MySpace


Se repararem, há uns 10 anos (ou talvez nem tanto) não se falava em tantos projectos nacionais como hoje se fala. Eles se calhar existiam, mas a divulgação era fraca ou inexistente.
Hoje todos sabem quem são os Blasted Mechanism, os Toranja, os The Gift, os Primitive Reason, os Linda Martini, os BunnyRanch, os Gomo, os Loto, os Fingertips, os Dead Combo, os Easyway, os Fonzie, os TwentyInchBurial, os Cool Hipnoise, os The Vicious Five, os Terrakota, os WrayGunn... Enfim, acho que todos os dias (ou quase) deve nascer em Portugal um novo projecto de qualidade! Tanto que, com tanta oferta já podemos estabelecer as nossas preferências, gostamos de uns, de outros nem tanto. Vai-se a concertos de propósito ver esta ou aquela banda nacional. Sabemos as letras ou aquela malha na guitarra ou no baixo de cor em salteado. E é bom ver que isso acontece cada vez mais.

Acho que um dos meios que tem promovido imenso (!!!) a divulgação de projectos nacionais são, sem dúvida, a Antena3. Pensando bem, não fazem mais do que a sua obrigação uma vez que somos nós, cidadãos, que pagamos a sua existência. No entanto, comparando por exemplo com a televisão pública, o canal RTP, que fora o Top+ ou o Só Visto (que vai andando de terra em terra, convidando sempre os artistas de sempre e que entretêm, enfim, a geração mais idosa; Mónica Sintra, Luis Malhoa, Claudisabel, etc), fica bastante aquém do que a rádio pública, a Antena3 em particular (sim porque também existe a Antena1), faz.
Entretanto, ao contrário do que acontecia noutros tempos, surgiram também alguns grupos de particulares que se dedicam em exclusivo ao apoio e divulgação das nossas bandas, tais como a Xuxa Jurássica ou mesmo a Radio Fazuma.
Ainda assim acho que continua a faltar qualquer coisa. Um mercado de música nacional com mais peso! Editoras a apostarem com mais força nos projectos nacionais (porque aquilo que conhecemos hoje, a meu ver, vem muito do trabalho das bandas em si e dos tais grupos de particulares que as apoiam e divulgam). Acho (ou pelo menos acredito) que para lá caminhamos. Pelo menos está provado que sabemos fazer coisas com muita qualidade. Que os portugueses a reconhecem e que a ela aderem!

Para finalizar, e para contrapor a situação da música em Portugal com a de outro país, aqui vai um exemplo. Strawberry Jam. São uma "mera" (mera entre aspas, pois convém dizer que tocam muito bem) banda de covers da Suiça que tocam temas clássicos como Ray Charles, Aretha Franklin, etc. Podem ouvir alguns temas bem como clips no seu site: www.strawberryjam.ch.
A grande diferença é que esta banda chega a ganhar 4000€ num concerto! E são apenas uma banda de covers. O que me leva a perguntar: em que situações é que isso acontece em Portugal? Não estou o suficiente dentro do assunto para poder responder, mas creio que a resposta andará à volta do "raras vezes" ou "nenhumas".

[e provavelmente alguns estarão agora a chamar-me de capitalista; mas na música as coisas não são propriamente baratas e muitas vezes para se fazer algo com qualidade é também necessário bom equipamento! sem contar com viagens, alugueres de espaços para ensaio (se houver necessidade disso), etc; e sem falar obviamente no pessoal que faz da música a sua profissão, tendo contas para pagar ao final de cada mês]